Por um Mundo mais solidário


Livro de Visitas - COMENTÁRIOS

Data: 01-06-2020

De: PEDRO SOUSA DA FONSECA (VILA FRANCA DE XIRA)

Assunto: UM OUTRO LADO DA MOEDA

Neste magnifico livro, Estação Terminal é apresentada ao leitor uma realidade totalmente nova. Acredito que ao escrever a história do Toni o autor terá mudado o final da história, quando fomos violentamente socados por este Covid 19. Este vírus começou por ser apresentado como pouco mortal, o que não se entende muito bem, já que teve a força para nos paralisar a todos. E foi-se conhecendo mais e mais e ele é agora um dos maiores vilões de todos os tempos, ataca pulmões, outros órgãos, os membros, nos tira todos os prazeres de viver e até nos consegue roubar o paladar. A situação aqui está ficando complicada, como em toda a região de Lisboa e Vale do Tejo. Pensámos que o pior já passara e de repente parece estarmos regressando aos piores dias da Pandemia. E ele, o vírus se vai mutando, mudando e gozando conosco. Há muita gente por esse mundo fora que ainda não se apercebeu da natureza do inimigo que enfrentamos. Ele está arruinando nossas vidas, o desemprego, o passar fome de muitos portugueses, como não passavam há muitos anos, as realidades novas da nossa sociedade, os seus impactos na saúde dos indivíduos. Até quando ele nos vai limitar? Até surgir uma vacina? Ou desaparecerá de um dia para o outro? Só Deus o pode fazer desaparecer, mas vejo o mundo ainda tão agindo à moda antiga, sem compreender que este é um sério aviso de Deus para nós. E continuamos destilando ódios... Mesmo com a vacina, os efeitos devastadores na economia, das nações e das pessoas, será catastrófica. Muitos vão passar fome. Já estão passando e não é lá longe, na África, nos países chamados do terceiro mundo... É aqui, ao lado, à nossa volta, em Vila Franca de Xira e em Portugal. É o outro lado desta moeda. E só poderemos superar se nos unirmos, dermos as mãos, deixemos os ódios de lado e nos ajudemos uns aos outros.

—————

Data: 01-06-2020

De: EMERSON FILIPE (LISBOA)

Assunto: NADA VOLTARÁ A SER IGUAL

Neste livro, Estação Terminal, uma história, a do Toni, se transformou numa história à volta desta Pandemia, o Covid 19 que mudou o mundo. A cidade, o campo, a sociedade, nada voltará a ser como era antes. Este livro lança uma primeira visão sobre o assunto, mas, acredito, fica muito aquém do que será a nossa realidade no futuro. Isto vai passar? Vai. Vai ficar tudo bem? Até pode vir a ficar tudo bem, mas nada voltará a ser como antes.

—————

Data: 30-05-2020

De: LUÍS FERNANDO MENDES ASSUNÇÃO (LISBOA)

Assunto: NOVO RENASCIMENTO

«Estação Terminal» é uma obra importante numa era em que o mundo mudou e se encolheu. Toni leva-nos numa viagem impressionante e recorda-nos a nossa humanidade comum e a importância de sabermos lutar, aceitando a adversidade, não se acomodando a ela. Um verdadeiro lutador é assim, não reclama muito, aceita, mas não se acomoda e luta para mudar sua situação. Não devemos construir muros, subir a ponte levadiça e viver com medo. Este livro ajudará o mundo a acolher corajosamente o potencial da inteligência coletiva e a assegurar que compreendemos as lições do passado e as do presente e que nos apercebemos das oportunidades que temos diante de nós neste Novo Renascimento.

—————

Data: 30-05-2020

De: GIL ISMAEL BRAGA MONTEIRO (ALDEIA GAVINHA)

Assunto: METAFICÇÃO OU SUBVERSÃO

O(s) tema(s) e a efabulação algo caricata que o autor propõe neste romance é evidente, desde logo, no seu título. Ao lê-lo, fiquei com a sensação de que o narrador vai tecendo o seu discurso, conjugando o seu enredo, ora de forma subversiva (pela ironia, pela caricatura, pelo grotesco? Não, pela irritante insistência em nos alienar com a imagem de um Deus, um Jesus que nos salvará de todos os males), ora apelando ao carácter metaficcional do texto, pela forma como chama o leitor para a construção dessa intriga religiosa, acabando por transformar um bom romance que... Recomendaria! Numa idiota utopia fanática religiosa.

—————

Data: 30-05-2020

De: ANDREA ANSELMO PENICHE (CANEÇAS)

Assunto: BOM COMEÇO

Estação Terminal trata-se de um romance que cruza várias histórias de vidas reais, repletas de amor entre a Ilha da Madeira, Lisboa e até o Rio de Janeiro girando em volta do Toni, junta um conjunto de personagens surpreendentes, desde o delicioso Ti Nelas que finge não ver o petiz Toni tirando as balinhas, bombons, até à Jú. Na exploração dessa linguagem que se vai inventando entre as entoações do português ou na coreografia do seu realismo romântico, o livro é poderoso e raro. Não tem tabus, como notará quem o ler, e é assim a literatura que não se esconde atrás de preconceitos ou de biombos de sala.

—————

Data: 28-05-2020

De: MARIA PAULINO PASCOAL (ERICEIRA)

Assunto: OBRIGATÓRIO PARA MANTER A ESPERANÇA E ALCANÇAR UM NOVO VIVER

Este livro (Estação Terminal) foi uma grande surpresa para mim, pois, como profissional da saúde, sendo um romance, ele trata o assunto desta Pandemia com grande atualidade. Aloisio Ferreira Casa consegue explicar muito claramente como a conjetura mundial, não apenas a nossa, portuguesa, mudou. Comprova os sentimentos de angústia que vivemos, desmistifica e oferece um caminho de esperança, uma esperança em Deus, que nos pode integrar num novo modo de viver. Sem dúvida que recomendo este livro a todos os que amam um bom romance e aos curiosos e pela sua saúde.

—————

Data: 25-05-2020

De: FÁTIMA RIBEIRO D’ ALMEIDA (PARIS)

Assunto: ÚTIL, MAS AQUÉM DA EXPETATIVAS

Estação Terminal não esteve à altura das minhas expectativas não tanto pela história do Toni que é interessante, mas pelo modo como o autor pretende insinuar que em todo o caminho do Toni, em todas as suas lutas, Deus esteve presente. Sobretudo, este livro reforça que a sociedade atual é uma sociedade de excessos, mas depois se perde em torno dessa utopia chamada de Deus. Desiludiu me um pouco.

—————

Data: 25-05-2020

De: CÉLIA GOMES RUA (LISBOA)

Assunto: ÓTIMO GUIA

ESTAÇÃO TERMINAL! Muito bom livro para quem gosta de um bom romance, mas essencialmente, para quem perdeu alguém por via desta Pandemia, ou por outro motivo. Emocionante a mensagem deixada à Jú. Uma mensagem vinda de alguém que compreende bem o amor e o tem dentro de si, sendo capacitado por Deus, para levar amor e conforto a todos os que estão carentes no dia a dia.

—————

Data: 25-05-2020

De: MÓNICA ADELAIDE JUSTINO EDUARDO (ALDEIA GAVINHA)

Assunto: CONCEITO ALIENATÓRIO

Um livro, Estação Terminal que nos oferece uma compreensão distorcida destes momentos de pandemia e confinamento especificamente relacionados ao confinamento numa escala alienatória do suposto divino.. Este livro apresenta Deus como o salvador da pátria o que o autor devia dizer a seus leitores é o que Deus vai fazer perante quem perdeu seu emprego, quer colocar comida na mesa, dar aos filhos e não tem? Deus é um conceito básico que n os fere ainda mais, quando estamos sofrendo com tudo isto que não entendemos e não compreendemos.

—————

Data: 24-05-2020

De: JOSÉ AUGUSTO MENEZES DA CRUZ (LISBOA)

Assunto: ONDE ESTÁ ESSE DEUS?

Não conhecia a história do Toni que este escritor, meu primo nos conta neste livro. Mas o futuro me assusta. Estaremos a viver um novo Renascimento? Neste livro imensamente estimulante, ele analisa os efeitos desta Pandemia que tomou conta nossos dias. Lutei bastante para chegar a uma posição de relativa segurança. Tinha investimentos no Algarve, ligados ao Turismo e os dias agora são negros. Fui forçado a fechar durante dois meses e meio. As contas não fecharam. Tive de mandar trabalhadores embora. Agora a esperança renascia. Embora com grandes limitações podia reabrir. Mas o que é deles? Os turistas? A grande força do turismo algarvio está nos ingleses... Quem é que vai vir até ao Algarve quando sabe que ao regressar a Inglaterra vai cumprir duas semanas de isolamento obrigatório? Não é esta a integração global sonhada... Não sei o que vai ser o meu futuro? Aqui em Lisboa, de visita a familiares de minha esposa, não vislumbro nada de bom. A pandemia nos está a arrasar a todos e meu primo, continua agarrado a manias religiosas que não vencem estas guerras. Onde está esse Deus que é a nossa garantia?

—————

Data: 24-05-2020

De: SANDRA RIBEIRO CHAVES (LINDA-A-VELHA)

Assunto: LEITURA MARAVILHOSA

ESTAÇÃO TERMINAL! Que leitura viciante, é impossível começar a leitura e não se aprofundar nessa história. Fiquei na dúvida se Toni era ou não culpado várias vezes, o autor conseguiu me fazer acreditar em diversos culpados e mudar a cada momento meu pensamento. O livro é incrível, cheio de suspense e dúvidas. Com um final alucinante, depois de tantas lutas, o Toni acaba não resistindo a este vírus. Não é o final que gostava de ver, mas os finais nem sempre são tão maravilhosos nas novelas da vida real. Na vida real, nem sempre o bem vence o mal. É com certeza uma leitura que indicarei a todos!

—————

Data: 24-05-2020

De: LUÍSA DE CASTRO COUTINHO (DAMAIA)

Assunto: A GRANDE BATALHA

Uma história de amor, de lutas e da guerra contra este vírus que mudou o mundo | A Grande Batalha/desafio de nossas vidas.

—————

Data: 24-05-2020

De: MARIA TERESA MEIRELES (ERICEIRA)

Assunto: DESVENDANDO SEGREDOS

O autor continua, neste Estação Terminal a desvendar segredos, desta vez, sobre o Toni, a sua vida com a primeira esposa, um casamento prejudicado pela profissão como tantos outros. No entanto, este livro continua a nos aproximar de Deus e a apontar o caminho que nos leva a Ele como o único que nos pode dar a redenção. Em tempos que o mundo vive tão atormentado, é um livro muito útil.

—————

Data: 23-05-2020

De: SUZANA OLIVEIRA DA CRUZ (CANEÇAS)

Assunto: DESINIBIDOR

Um livro (ESTAÇÃO TERMINAL) bastante interessante que nos leva a encarar o dia a dia com mais subtileza, ensina como nos podemos livrar da angústia, recorrendo a Deus o nosso aliado para todos os momentos da nossa vida. Se querem ter uma atitude de esperança, mas próxima de nós e da vida, devem ler este livro. Recomendo vivamente.

—————

Data: 23-05-2020

De: EDUARDA FONSECA JANUÁRIO (PARIS)

Assunto: O INQUIETANTE MUNDO DA SOLIDÃO

Livro fantástico e comovente, sobre o Toni e sobre esta Pandemia. Meu pai também é camionista e vivemos aqui em Paris, a minha família, há mais de 30 anos. Eu já nasci cá. Esta história é um impressionante relato num universo literário surpreendente. A parte que mais me emocionou foi o tempo de Toni percorrendo as estradas da Europa no seu camião. Nem foi tanto este estado de urgência pandémico. Fiquei com a respiração suspensa, pela verossimilhança com o cenário que revejo em minha casa. Minha mão, já a vi, muitas vezes a ponto de explodir angustiada com a solidão. Passam dias e dias sem vermos meu pai. A temível brevidade da sua vida de casada só torna minha mão mais áspera, menos capaz de sorrir e pronta a mergulhar no inquietante mundo da solidão.

—————

Data: 18-05-2020

De: DORA DE ALMEIDA PINHEIRO (CANEÇAS)

Assunto: NOSSA DERRADEIRA OPORTUNIDADE

Um livro muito atual deste meu amigo e antigo vizinho. Realmente a história do Toni é triste, um lutador que acabou tombando nesta Pandemia. A Humanidade vive o seu pior momento. Contudo, este é também o nosso momento, o momento de emedarmos nossos comportamentos e sermos realmente irmãos, irmãos em Cristo Jesus, solidários, nos ajudando uns aos outros. É... Talvez... A nossa derradeira oportunidade enquanto povo de Deus...

—————

Data: 17-05-2020

De: MARINA SOLA GONÇALVES (LISBOA)

Assunto: SEQUÊNCIA DO POVO BRASILEIRO

Neste livro, Estação Terminal, o autor pretende através da história do Toni lançar um olhar sobre o nosso futuro, mas acaba sendo traído por estar agarrado ao local onde vive. Sou uma jovem que há muito tempo desempenho intensa atividade política no meu Partido. Sou deputada à Assembleia da República e confesso que me senti ofendida por este livro. Na página 42 pode ler-se o seguinte trecho: “Basicamente nessa altura com cerca de sete anos, podia se dizer que estava aprendendo a arte de ser ladrão, ou talvez fosse apenas um estagio para mais tarde estar apto a seguir a carreira de político”. Eu não sou ladra. E; no fundo, o que aqui se dá a entender é que os políticos são ladrões. Não são. Pelo menos aqui em Portugal. Até admito que o possam ser por aí, onde o autor vive... O Brasil é um antro de corrupção. Uns são corruptos, outros são loucos ou no mínimo mal intencionados, como o próprio Presidente que é notícia na mídia de todo o Mundo e pelas piores razões. Enquanto o povo morre ele cria crises politicas, em especial na saúde, ofende e manda calar jornalistas, demite ou provoca a demissão de ministros... É evidente que ninguém aguenta trabalhar com ele. E pior, faz apologia do fascismo e da Ditadura ao participar e incentivar manifestações contra os órgãos que são o sustentáculo da democracia, ao elogiar sanguinários e torturadores de uma das páginas mais negras da história do sacrificado povo brasileiro, no Período da Ditadura Militar. Perante a situação do Brasil, até sou capaz de desculpar o autor pela grave ofensa. Meu caro, por cá, nós, os políticos até podemos errar, como todo o mundo, mas não somos ladrões. Se não gosta, nem aceita essa situação, meu amigo, venha embora daí. O sacrificado povo brasileiro até pode ter de suportar um fascista no poder e um antro de corruptos, reconhecendo que não são todos. Mesmo no Brasil há muitos políticos honestos e que lutam contra todas essas aberrações... Mas você não... Não necessita de aturar isso... Que está aí a fazer? Portugal espera por si...

—————

Data: 17-05-2020

De: PEDRO SANTOS DA CUNHA (LISBOA)

Assunto: Re:SEQUÊNCIA DO POVO BRASILEIRO

Senhora Deputada! Permita-me que responda ao seu absurdo comentário. É claro que todos lamentamos a situação do Brasil, pela Pandemia que lá está a fazer cada vez mais vítimas. Quanto a suas considerações, deixe-me lembrar que um Senhor que por cá até foi Primeiro Ministro, tem nas costas vários processos de corrupção... Um senhor Sócrates? Conhece? É que ele até é do seu partido. E se procurar bem, deve encontrar mais alguns exemplares... Então, aceite o meu conselho... Não atire pedras aos outros quando está dentro de uma casinha com telhados de vidro... Alguma pode cair em seu telhado. Infelizmente, corrupção há em todo o lado. Por fim, convido-a a estudar mais... No livro é retratada a história do Toni... Como deputada deveria visitar as furnas na Madeira. Tenho lá família. Vá lá! O livro retrata a história do Toni e a situação do local onde ele nasceu e por lá... Ouça o povo! Vá lá! Ainda hoje as pessoas de lá tem o hábito de identificar os políticos como ladrões, em sentido figurado, claro está. É uma força de expressão... Um desabafo do Toni. O mesmo desabafo com que ele se perguntava se estaria a aprender a arte de ser ladrão ou a treinar para mais tarde ser político. Não é por esses pequenos furtos de criança, para comer, que o Toni era ladrão. Pelo contrário, sempre foi um grande homem. Senhora Deputada, onde estudou? Sabe o que é sentido figurado? Sabe o que é força de expressão? Sabe interpretar um texto e o contexto dele? Talvez deva voltar à escola... Em vez de se ofender com uma consideração que era voz corrente na comunidade onde Toni nasceu e que ainda hoje o é, deixe de se preocupar demasiado com o que se passa lá do outro lado do Atlântico que não foi eleita para cuidar de lá. Cumpra a sua obrigação e trabalhe, vá visitar as furnas, veja como ainda hoje muitos dos portugueses vivem e trabalhe, crie leis, tome medidas para melhorar a vida desse povo. Deixe o conforto do seu gabinete... Estamos entendidos... TRABALHE MAIS E FALE MENOS!

—————

Data: 15-05-2020

De: ANGELINA PIMENTEL CASTRO (LISBOA)

Assunto: ORIGINALMENTE

Originalmente não seria tentada a ler este livro, mas como o autor é um Benfiquista lá o baixei, mais por curiosidade do que outra coisa qualquer. Estamos a viver uma situação de confinamento nunca vista. Portugal começa agora a dar os primeiros passos no desconfinamento. E não sabemos como vai ser... Reparem que depois disto tudo passar... Quando? Ainda não voltamos a normalidade e já se fala de uma possível segunda vaga do vírus? Isto, enquanto não vier a tal da vacina parece muito confuso. Tenho filhos e a gente explica às crianças, mas como ficam as suas cabecinhas? Quando viam esses filmes de ficção científica, nós explicávamos que eram filmes, histórias, ficção... E agora eles veem que não é... Anda por aí um bicho, algo mau, a matar as pessoas... E a fome, o desemprego, as angústias, as dores, o flagelo? Até onde isto nos irá levar? Originalmente, por natureza sou uma otimista, mas hoje sinto-me muito preocupada, tenho medo e não consigo ser otimista.

—————

Data: 15-05-2020

De: ALEXANDRA LARA (RIO BRANCO)

Assunto: A MAIOR TRAGÉDIA

Um livro atual. (ESTAÇÃO TERMINAL). Todos os dias morrem centenas de pessoas nos Hospitais Públicos e Privados e tal como a Jú, os familiares nem podem fazer o seu funeral. Morrem por Síndrome Respiratória Aguda Grave, o tal Covid_19. Sou médica. Os familiares me perguntam: Porque isso está a acontecendo comigo, com minha família? Respondo: É a maior tragédia de Saúde Pública de nossa geração, provocada não só pelo vírus, mas pela ignorância de pessoas que, não se protegem e ainda expõem os demais. É a nossa realidade. E é triste. Muito Triste!

—————

Data: 12-05-2020

De: ANA ISABEL ALMEIDA SANTOS (SANDIÃES/VALE DE CAMBRA)

Assunto: GUARDADO ESTÁ O BOCADO PARA QUEM O HÁ-DE COMER

Não tenho muita instrução. Necessitei que um neto de minha filha Cristina me lesse este livro, Estação Terminal. Assim como lhe pedi para escrever esta minha opinião. Lá diz o povo, guardado está o bocado para quem o há-de comer. Não conheço a escrita, nem sei se a história é boa ou má. É triste, nos transporta para esta nova realidade de um mundo contaminado. Será que iremos sobreviver? Mas senti a necessidade de falar do autor que um dia foi casado com minha irmã Fernanda. Ao contrário dela e de uma parte da família, nosso irmão António, eu devo ser justa e reconhecer que minha irmã teve sorte, apenas não a soube aproveitar, pois é negativa, não se ama e não sei se algum dia conseguiu amar alguém. Sempre admirei este escritor e em especial, sua mãe, Tina que tive o grato prazer de conhecer e com ela conviver, embora pouco. Mas o tempo que ela aqui esteve e falou comigo, foi maravilhoso, um doce de pessoa, voltada para Deus.

—————

Data: 10-05-2020

De: JOANA PATRÍCIA AFONSINI (VISEU)

Assunto: INTERESSANTE

Como benfiquista o que mais me custou neste confinamento foi estar privada do futebol. É evidente que não é tudo, para mais nestes tempos em que a própria vida está ameaçada e a morte se instalou de uma maneira insidiosa e vil no Mundo inteiro. O Toni foi apenas uma das vítimas e quem sabe quantas mais... Quantos mais efeitos nos vão afetar e por quanto tempo? Estação Terminal é um livro que tem muito mais do que apenas mostra. Vai muito mais além da história do Toni. Quando lido nas entrelinhas é muitíssimo interessante.

—————

Data: 10-05-2020

De: António Nzinga

Assunto: Deus é a vida

A vida é tão significante quando conhecemos a Deus em nossas vidas e o recebemos como o nosso Senhor e salvador, conheci certo homem que não amava a Deus e nem se importava com a palavra de Deus, mas certo dia este homem foi tocado e chamado por Deus. Este homem sou eu que hoje me sinto tão amável a Deus, a vida nos ensina muitas coisas, mais valioso darmos o tempo a Deus porque ele é o único amigo e bem presente no tempo mais difícil das nossas vidas. Lembra que "atos 16:25" Paulo e Silas estavam dentro de uma prisão, mas eles oravam e adoravam a Deus e o Senhor os resgatou da prisão. Deus é fiel e ele transforma vidas e situações porque nada é impossível a Deus "Lucas 1:37"..... Que Deus abençoe a ti e a sua família, amém.....

—————

Data: 09-05-2020

De: BRUNA OSVALDO ANSELMO (SABUGUEIRO)

Assunto: MUITO BOM

Gostei muito da historia, embora o final seja muito triste. Na vida nem sempre os finais são tão cor de rosa como nas histórias lamechas de ficção que acabam sempre no “casaram e foram muito felizes...” Pede sempre para ler mais. Acho que vou baixar mais livros deste autor, espero não me decepcionar.

—————

Data: 10-05-2020

De: António Nzinga

Assunto: Re:MUITO BOM

As vezes como homem passamos por várias dificuldades, mais quando conhecemos a Deus e a nossa fé afixando-se a ele, acredito que somos mais do que vencedores. O primeira carta aos Coríntios 1:26-27-28 relata que muitas das vezes Deus tem escolhido as pessoas desprezíveis a quem o mundo não valoriza, mas Deus escolhe estás pessoas na sua obra para confundir os sabios deste mundo. Assim também como a mim, DEUS me chamou e fez de mim seu servo, ainda eu não tenha riqueza financeira, material, mas acredito em riqueza do espírito santo que habita em mim. Obrigado pela oportunidade e que Deus vos abençoe, amém.

—————